Seu protetor auricular tipo concha/abafador é confortável?

Seu protetor auricular tipo concha/abafador é confortável?

Uma grande maioria dos trabalhadores brasileiros justifica que não conseguem usar o protetor auricular tipo concha/abafador durante toda a jornada de trabalho porque ele é muito desconfortável!!!

Mas o que para eles significa este desconforto? É uma pressão muito grande na cabeça, o abafador/concha é muito pesado, dá dor de cabeça entre outras desculpas.

A seleção do protetor auricular deve ser baseada não somente na atenuação de ruído oferecida, mas também no conforto, por isso, o conforto do protetor auditivo é um parâmetro muito importante e como é possível avaliar o conforto de protetores auriculares?

O Prof. Samir Gerges, PhD em Ruído e Vibrações, professor voluntário do departamento da engenharia mecânica da UFSC e fundador do LAEPI, desenvolveu um sistema constituído por um dispositivo contendo sensores de pressão fixados em uma superfície plana e na metade de uma cabeça artificial que através de medições determinam o nível de conforto que os conchas/abafadores oferecem ao usuário. Assim, o LAEPI é o único laboratório do mundo que realiza estes ensaios com resultados qualitativos. Tendo publicado em diversos artigos o desenvolvimento dessa metodologia de avaliação em revistas e congressos internacionais.

Com o resultado gerado pelos ensaios, é elaborado um relatório que contem as distribuições de pressão de contato entre a concha dos protetores auditivo e o dispositivo de ensaio, a força da haste e a massa do protetor auricular, determinando assim, o índice de conforto.

Este índice de conforto do protetor auricular indica o quão confortável um protetor auricular é para o trabalhador, fazendo com que sua utilização não lhe cause os desconfortos mencionados acima, sendo então um bom indicador para a seleção do EPI durante a jornada de trabalho.

Para se ter uma ideia, um protetor auricular utilizado durante metade do tempo da jornada de trabalho oferecerá uma atenuação de apenas 3dB, ou seja, caso o trabalhador não use corretamente o protetor auricular ele não estará protegido do ruído. Então não basta apenas atender o valor necessário de atenuação, o protetor precisa ser confortável pois assim será mais provável que o trabalhador utilize o protetor durante toda a jornada de trabalho.

Outro aspecto que se destaca, é que estas informações quantitativas do conforto, distribuição de pressão, força da haste e massa do protetor auricular, servem de subsídio para a melhoria ou desenvolvimento de novos protetores. Estes são excelentes indicadores que ainda não são valorizados por quem produz e por quem compra os protetores auriculares tipo concha/abafadores.

Os compradores destes EPIs se preocupam apenas em saber qual a atenuação de ruído que os conchas/abafadores proporcionam. Desta forma, queremos alertar aos compradores e usuários, que busquem informações a respeito destes indicadores de conforto para que os trabalhadores possam usar um EPI durante toda a sua jornada de trabalho sem ficar com pressão na cabeça.

 

 

Deixe seu comentário