As 2 dúvidas mais frequentes sobre Vida Útil de Protetor Auricular

As 2 dúvidas mais frequentes sobre Vida Útil de Protetor Auricular

Sempre recebemos diversos questionamentos quando se trata de Vida Útil de Protetor Auricular, com base nessas dúvidas percebemos que a maioria dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalhador questiona principalmente a respeito de qual a diferença de vida útil e de validade e como determinar a vida útil de um protetor auricular.

A seguir apresentamos respostas para essas duas principais dúvidas:

1. Qual a diferença entre vida útil e validade do protetor auditivo?

De acordo com a Nota Técnica 176 de 2016 da CGNOR/DSST/SIT do MTb a data de validade é determinada pelo tempo que o EPI mantém sua qualidade e as características de proteção (enquanto ainda está em sua embalagem, não em uso) aos riscos para os quais o mesmo está indicado, neste caso a proteção ao ruído. Este prazo de validade deve ser determinado pelo fabricante/importador.

A vida útil por sua vez, está relacionada principalmente às condições de uso, armazenamento, manutenção ou condições do ambiente ou tipo de uso do EPI, dentre outras variáveis. Dessa forma, o desgaste do EPI e de seus componentes deverá ser avaliado pelo empregador, permitindo um controle frequente da necessidade de substituição ou reparo.

2. Como determinar a vida útil do protetor auditivo?

Na Nota Técnica do MTb a vida útil do protetor auditivo é de responsabilidade do empregador e depende de particularidades como os diferentes agentes físicos, químicos e biológicos encontrados no ambiente, a atividade de trabalho exercida pelos trabalhadores, além da manutenção e higienização realizada do EPI. A vida útil de um modelo especifico de PA será diferente para diferentes tipos de ambientes e organizações de trabalho.

Infelizmente não existe uma resposta generalizada. Então, apenas temos uma ideia do período de tempo de uso do protetor auditivo, assim como podemos dizer que um sapato pode durar um período entre 6 meses a 2 anos.

Apesar disso, é possível realizar um ensaio em laboratório com os protetores auriculares usados. Para isso é necessário coletar amostras de um mesmo protetor auditivo (marca e modelo) e que possui o mesmo tempo de uso de um setor específico da empresa delimitado para determinar o período de troca destes equipamentos de proteção auditiva.

 

O LAEPI é o único laboratório Acreditado pela Cgcre do Inmetro e credenciado pelo MTE para realizar ensaios de atenuação de ruído de protetores auditivos com a norma ANSI S12.6-2016, conforme requisitado na NR-06 e especificado no Anexo II da Portaria MTE Nº 452 de 20 de novembro de 2014.

Através desses ensaios, a área de segurança do trabalho conhecerá a atenuação do ruído que o protetor auricular (PA) fornece, poderá prever a periodicidade de troca dos protetores auditivos e assim diminuir custos com a aquisição adequada de PAs, terá ainda um relatório técnico com certificação RBLE (Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio) da CGCRE/INMETRO que pode ser utilizado em sustentação legal junto aos órgãos públicos.

Para saber mais sobre esse tema, adquira já o livro Protetores Auditivos do maior especialista na área Prof. Samir Gerges através do e-mail: laepi@laepi.com.br

 

Deixe seu comentário