Como é realizado o ensaio para verificar a Vida Útil do Protetor Auricular?

Como é realizado o ensaio para verificar a Vida Útil do Protetor Auricular?

Conforme consta na Nota Técnica Nº 176/2016 do MTb, a determinação da vida útil do protetor auditivo é de responsabilidade do empregador. Portanto, cabe as empresas cuidarem e se atentarem para a determinação da vida útil do protetor auricular disponibilizado aos seus colaboradores. Porém, como as empresas podem fazer isso?

Como a vida útil do protetor auricular depende dos agentes físicos, químicos e biológicos encontrados no ambiente da atividade exercida pelos trabalhadores e também da manutenção e higienização do EPI, a vida útil de um modelo especifico de PA será diferente para diferentes tipos de ambientes e organizações de trabalho.

É possível realizar o ensaio para determinar a vida útil do protetor auricular com tempo de uso, através do mesmo método utilizado para a obtenção de CA dos protetores auriculares. Os ensaios são realizados utilizando ouvintes (seres humanos), em uma câmara reverberante e de forma automatizada e sistemática, onde a equipe técnica tem a mínima interferência no processo, a fim de garantir a máxima repetibilidade, confiabilidade e eficiência.

Após realizar o ensaio com o protetor auricular com tempo de uso de um determinado setor da empresa é possível comparar a atenuação de  ruído do mesmo modelo de protetor auricular, com pu sem uso (novo) e assim verificar a perda/ou não de atenuação de ruído do modelo de protetor auditivo ou auricular ensaiado.

Para realizar o ensaio é necessário coletar amostras de um mesmo protetor auditivo (marca e modelo) e que possua o mesmo tempo de uso de um setor específico da empresa delimitado para determinar o período de troca destes equipamentos de proteção auditiva.

O LAEPI é o único laboratório Acreditado pela Cgcre do Inmetro e credenciado pelo MTE para realizar ensaios de atenuação de ruído de protetores auditivos com a norma ANSI S12.6-2016, conforme requisitado na NR-06 e especificado no Anexo II da Portaria MTE Nº 452 de 20 de novembro de 2014.

Através desses ensaios, a área de Segurança do Trabalho conhecerá a atenuação do ruído que o protetor auricular (PA) fornece, poderá prever a periodicidade de troca dos protetores auriculares e assim diminuir custos com a aquisição adequada de PAs, terá ainda um relatório técnico com certificação RBLE (Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio) da CGCRE/INMETRO que pode ser utilizado em sustentação legal junto aos órgãos públicos.

Para saber mais sobre esse tema, adquira já o livro Protetores Auditivos do maior especialista na área Prof. Samir Gerges através do e-mail: laepi@laepi.com.br

Deixe seu comentário