bab82e1e091bafe64ca38992ec5b3c3f_ruido-1156-577-c

Ruído Industrial: gerenciando o ruído em sua empresa

Ao exercerem suas atividades laborais dentro da empresa, os colaboradores estão expostos à ruídos que podem ultrapassar os limites permitidos pela Portaria Nº 3.214/1974 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A exposição a ruídos elevados por prolongados períodos de tempo pode levar a perda auditiva permanente, além disso, pode gerar efeitos fisiólogos e psicológicos indesejáveis.

A causa mais comum de perda auditiva se deve à exposição a altos níveis de ruído por prolongados períodos de tempo no ambiente de trabalho. Os efeitos fisiológicos e psicológicos, muitas vezes não estão relacionados às perdas auditivas, como por exemplo, o estresse, a ansiedade, o isolamento entre outras, nas quais comprometem as relações dos colaboradores no ambiente de trabalho, na família e na sociedade, prejudicando assim, o desempenho de suas atividades diárias.

A perda auditiva induzida por ruído é causada por uma combinação de dois fatores: o nível de ruído (pressão sonora) e o tempo de exposição. Essa perda pode ser entendida como uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da exposição contínua à elevados níveis de ruído.

Medidas de gerenciamento de ruído devem ser aplicadas tão logo se suspeite da presença de um problema de ruído. O procedimento básico envolvido na iniciação de um programa de conservação da audição é descrito a seguir:

Figura 1: Organização de um programa de conservação auditiva

Um dos primeiros passos em um projeto de redução de ruído é a preparação de um mapa ou levantamento topográfico do ruído. Um esboço razoavelmente exato deve ser desenhado, mostrando as posições relativas de todas as máquinas, processos e outros itens de interesse. A esse esboço são adicionados os níveis de pressão global em dB(A), tomados em um número conveniente de posições em torno da área que está sendo investigada. Quanto maior o número de medidas, mais exato será o levantamento. Um levantamento deste tipo mostrará de imediato, as zonas perigosas de ruído. A Figura 2 apresenta um mapa de ruído de uma planta industrial.

Figura 2: Mapa de ruído de uma planta industrial

Quando as providências necessárias tiverem sido tomadas, uma série de novas medições dará uma clara imagem da extensão da mudança nos níveis de ruído, em comparação as iniciais. Um levantamento topográfico com zonas vermelhas também pode ser utilizado para indicar as áreas onde os protetores auditivos seriam obrigatórios, até que uma nova ação seja tomada para redução de ruído na fonte.

A remoção dos riscos de ruído, ou de pessoas das zonas de ruído, é o caminho mais correto para a preservação da audição. A confecção de um mapa de ruído é imprescindível para que as medidas corretas possam ser adotadas. Apenas quando as técnicas de controle de ruído não possam ser aplicadas imediatamente, ou durante o período de implantação, sistemas de proteção da audição devem ser utilizados como solução paliativa. Na prática, a modificação de uma planta industrial pode levar anos, o que obriga que se tomem cuidados na seleção dos

A assistência e apoio de pessoal técnico especializado em acústica é fundamental para um projeto de redução de ruído. Por isso, é importante escolher empresas que possuam experiência, conhecimento técnico e que sejam honestas na prestação deste tipo de serviço.

O Laboratório de Equipamentos de Proteção Individual (LAEPI), desde 2012 vem realizando o serviço de mapeamento de ruído e identificação de fontes, utilizando equipamentos e softwares de última geração e com pessoal técnico qualificado sobre a supervisão do Prof. Samir N. Y. Gerges, Ph.D. O LAEPI é o único laboratório no Brasil acreditado pelo INMETRO para realizar ensaios de atenuação de ruído de protetores auditivos novos ou usados, entre em contato conosco (48) 3232-8023 ou laepi@laepi.com.br.

Tags: No tags

Adicione um comentário

Seu email não será divulgado. Campo obrigatório*